quarta-feira, 2 de novembro de 2011

O quê você espera encontrar numa farmácia?

O quê você espera encontrar numa farmácia?

A resposta parece óbvia, não? Mas o fato é que, quase todos os dias, muitas pessoas procuram este tipo de estabelecimento para procurar os mais diversos produtos, muito além de medicamentos, perfumaria e afins...

Posso citar alguns exemplos (presenciados por mim, ou por colegas próximos):


  • Bolinha de Ping-Pong
  • CD virgem
  • Ralinho de inox para pia
  • Carrinho de brinquedo
  • Graxa Nugget para sapatos
  • Cópia ("vocês tiram xerox???")
  • Sorvete
  • Refrigerantes
  • Agulha e linha
  • Globo terrestre
  • Caneta
  • Baralho




Parece que, quando a pessoa não sabe onde encontrar o produto, ou não consegue encontrá-lo em nenhum outro lugar, dirige-se à farmácia, porque "lá deve ter"! Para quem mora no estado de São Paulo, onde a fiscalização é mais intensa, essas coisas podem parecer absurdas. Porém, sei também que muitos destes ítens são encontrados em farmácias Brasil afora. O que não é permitido por lei.

Isso apenas nos mostra como este setor foi se desvirtuando ao longo das últimas décadas. Deixou de ser um estabelecimento de saúde, para se tornar um simples comércio, que vende de tudo. Inclusive remédios.



_________________________________________________

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Óleo de Canola é bom pra saúde, mas... O que é Canola???

Quase todo mundo já deve ter visto no mercado, se não usado, o óleo de canola. E já deve ter ouvido que faz bem à nossa saúde. Mas alguém sabe que planta é essa tal de canola?

Bem, na verdade, canola não é uma planta. É um acrônimo (sigla pronunciada como uma palavra) em inglês para CANadian Oil, Low Acid - CANOLA, que significa "Óleo Canadense, com baixo teor de ácido". Este óleo é extraído das sementes de uma planta, uma espécie de couve, chamada colza (Brassica napus).

Mas não é qualquer óleo de colza que pode ser conhecido como Canola! Somente variedades produzidas para este fim, através de um melhoramento genético, é que podem ter seu óleo chamado de Canola. O óleo de colza normal não deve ser ingerido por causa de sua toxicidade, causada por uma elevada concentração de ácido erúcico (o termo Low Acid, ou baixo teor de ácido, refere-se a este ácido) e glucosinolatos. Porém, este óleo é utilizado para outras finalidades, como a produção de biodiesel.

E o óleo de Canola é, de fato, bom para nossa saúde. Possui baixo conteúdo de gordura saturada, e alto de gordura monoinsaturada e de ácidos graxos ômega 3 e ômega 6. Devido à essa composição, há evidências de que este óleo possa reduzir as taxas de "colesterol ruim" (LDL) e aumentar as taxas de "colesterol bom" (HDL), além de outros benefícios.


...

domingo, 4 de setembro de 2011

Descontos em Farmácias

Quem nunca pediu desconto ao comprar algum produto na farmácia? Pouquíssimas pessoas, não é mesmo? Mas o que está por trás deste hábito tão comum do brasileiro?

A cena é clássica: o cliente entra na farmácia, pede um produto, pergunta o preço e, na sequência, solta um "Tem desconto???". Até aí, tudo bem. Afinal, quem não quer economizar alguns trocados ao comprar algo?

Mas a questão vai mais longe. Tem clientes que entram na farmácia e, mesmo antes de perguntarem se tem o remédio ou produto que procuram, perguntam se tem desconto. Isso é frustrante! Nós, que trabalhamos em farmácias, queremos dar um bom atendimento aos clientes, resolver suas dúvidas, auxiliá-los a adquirir os medicamentos corretos e a utilizá-los de forma correta. Mas parece que poucos realmente se importam com isso. Querem saber apenas se o desconto desta farmácia é maior que o da farmácia X.

E o pior: não pedem descontos apenas para os medicamentos. Para muitas pessoas, qualquer produto vendido na farmácia é passível de descontos! Absorventes, escovas e cremes dentais, shampoos... Enfim, qualquer coisa que possa ser encontrada na farmácia! A farmácia onde trabalho fica localizada dentro de um supermercado. Alguns tipos de produtos são vendidos tanto na farmácia quanto no mercado. Na farmácia pedem desconto. No mercado, não! Aliás, compram roupas, tênis, sapatos, bolsas, celulares e etc, ítens relativamente caros e considerados não-essenciais, e não pedem um centavo de desconto. Mas pedem em medicamentos que chegam a custar menos de 2 reais...

Então, parece que virou uma questão cultural pedir descontos na farmácia. Ao ponto de alguns clientes dizerem que é lei (!!!) dar descontos em medicamentos!

Mas como surgiu tudo isso?

Embora eu não tenha como confirmar a veracidade da informação, é um consenso que essa história começou com a Drogaria São Paulo dando descontos para os aposentados, e apenas para alguns medicamentos. Aos poucos, as concorrentes passaram a fazer o mesmo, e começaram a estender os descontos para todo mundo, em todos os medicamentos. E foi se espalhando cada vez mais, até chegar aos dias de hoje, em que raras são as pessoas que não pedem desconto. 

Isso pode ser ótimo para o consumidor, mas é terrível para os profissionais deste tipo de estabelecimento. Nós nos empenhamos em atender bem o cliente, e ainda ouvimos:

"Obrigado pelo seu atendimento! Você foi muito atencioso! Mas infelizmente vou comprar o medicamento na farmácia X, porque lá sai mais barato."

C'est la vie...

sábado, 27 de agosto de 2011

Venda de medicamentos controlados

Hoje vou falar sobre a venda de medicamentos controlados, do ponto de vista de quem está atrás do balcão da farmácia: os farmacêuticos (e seus companheiros de trabalho).

Trabalhar com medicamentos controlados não é a coisa mais agradável do mundo! Muita documentação, legislação, detalhes... Tudo deve estar certinho! Caso contrário, o farmacêutico e o gerente podem até sair algemados, nos casos mais graves! Indiciados por tráfico de drogas!!!

Mas estou escrevendo este post-desabafo, inspirado pelo que aconteceu comigo ontem. Entrou um casal de clientes na farmácia. O senhor já era bem conhecido nosso, um cliente costumeiro. A mulher que estava com ele não, era a primeira vez que eu a via. Ele até comentou: "Esta é a minha esposa"... Pois bem. Ela sacou uma receita azul (na verdade uma notificação) da bolsa. Facilmente percebe-se que se trata de algum medicamento tarja-preta. A funcionária que a atendeu buscou o medicamento, e  trouxe-me a receita para que eu pudesse conferi-la. Neste momento, notei  que a data estava rasurada...

Pausa para explicações:

As receitas de medicamentos controlados têm validade de 30 dias. Depois disso, elas não podem mais ser usadas. Também não podem conter rasura. Nem na data, nem no nome do medicamento, nem na quantidade, nem na dosagem... Em nada! Não fui eu que inventei isso! É lei:

Portaria 344/98 - CAPÍTULO V - Art. 35


§ 3º A Notificação de Receita deverá estar preenchida de forma legível, sendo a quantidade em algarismos arábicos e por extenso, sem emenda ou rasura.

§ 4º A farmácia ou drogaria somente poderá aviar ou dispensar quando todos os itens da receita e da respectiva Notificação de Receita estiverem devidamente preenchidos.



Continuando a história...

Então, fui obrigado a informá-la de que o medicamento não poderia ser vendido, porque havia uma rasura na data (2 tons de azul formando um 8 sobre o que parecia ser um 6 - uma rasura bem grosseira, diga-se de passagem! Já vi melhores...)! Pronto! Começou o escândalo:

(Legenda: Eu, o Gerente, a Senhora, o Marido. As frases todas em maiúsculas significam GRITANDO. Sim, a mulher estava um tanto alterada...)

- AONDE VOCÊ VIU RASURA AQUI?
- Minha senhora, na data! Tem 2 cores de caneta aqui...
- MAS O MÉDICO PREENCHEU NA MINHA FRENTE! EU VI!
- Tudo bem, mas mesmo que ele próprio tenha rasurado, não posso aceitar a receita.
- VOCÊ ESTÁ IMPLICANDO COMIGO!!! (Paranóia???)
- O que aconteceu?
- ELE ESTÁ FALANDO QUE A RECEITA ESTÁ RASURADA!
- Onde está a rasura?
- Aqui na data, senhor...
- Mas você não vai vender por causa disto?
- Pois é, senhor. Infelizmente não posso.
- Mas eu já compro aqui há muito tempo, você me conhece... Não dá pra dar um jeito?
- Não tem como! É a lei! O senhor quer que eu passe por cima da lei?

Pausa  #2 - Comentários

Brasileiro reclama que os políticos enganam, roubam o povo, etc. Mas quando é com eles, aí pode tudo! Pode passar por cima da lei, fazer o que for preciso para levar alguma vantagem. É o famoso (e abominável) "jeitinho brasileiro"...

Continuando...

Nisso, entra o gerente, perguntando o que estava acontecendo. Mostro a ele a receita, explico a situação. E ele corrobora minha opinião:

- É verdade, senhores. A receita está rasurada.
VOCÊS NÃO QUEREM ME VENDER O REMÉDIO!!!
- A troco de quê não venderíamos? Aqui é um comércio, precisamos vender coisas! Se não estamos vendendo, é porque tem algum motivo, concorda?
- VOCÊS IMPLICARAM COMIGO!
- Quem foi que viu a rasura?
- Fui eu, senhor.
- Tudo bem. Se vocês não vão me vender, eu nunca mais volto aqui. E vou avisar minha família pra nunca mais voltar aqui.
- É um direito seu.
- E tem mais. Meu filho trabalha na Polícia Federal. Espero que esteja tudo certo aí na sua farmácia... (uma ameaça???)

Infelizmente, este não é um caso isolado. Sempre que acontece algum tipo de problema com a receita, que inviabiliza a dispensação do medicamento, as pessoas parecem ficar anormalmente alteradas! Eu não estou recusando a venda porque eu quero, ou porque não fui com a cara do cidadão! Eu simplesmente não posso vender!

E quero aproveitar para dizer que, embora haja muita gente falsificando receitas, grande parte dos problemas é causada pelos médicos! Muitas receitas são preenchidas de maneira incorreta. Isso gera situações constrangedoras para quem vende os medicamentos, e desagradável para o paciente que precisa tomar seu remédio e não pode comprá-lo por um erro estúpido.

Médicos, por favor! Vocês sabem o que deve ser feito ao preencher as receitas! Muitas vezes, nem a data é colocada! E o paciente fica realmente indignado (e com razão) por não poder comprar o remédio apenas porque a data não foi preenchida!

Pacientes, cobrem de seus médicos o preenchimento correto de suas receitas (inclusive de forma legível), para evitar transtornos na hora da compra!

Mas não tentem dar um jeitinho na hora da compra! Se quisermos viver num país melhor, não será passando por cima das leis que alcançaremos este objetivo. Pensem nisso...





quinta-feira, 28 de julho de 2011

Aspirina pra gripe??? O Marketing da Indústria Farmacêutica

É engraçado o que o marketing faz com as pessoas. Eu sempre achei estranho o fato de muita gente tomar Aspirina "pra gripe". Recentemente, assistindo à TV, vi uma propaganda da Aspirina, e entendi o motivo. Embora essa propaganda estivesse tecnicamente correta, ela parece induzir os telespectadores a acreditar que este medicamento pode combater gripes e resfriados. Mas o que ele faz é tratar alguns sintomas associados a estas doenças, como dores de cabeça e no corpo, e febre. E só. Mas atendi uma cliente outro dia (que me inspirou a escrever este post), que disse que a Aspirina fazia ela parar de espirrar... E vai tentar convencê-la do contrário!

O marketing é uma arma poderosíssima! Muito mais do que a opinião e o conhecimento dos profissionais que realmente entendem do assunto.

Outro exemplo claro da influência do marketing é no caso do Advil Extra Alívio e do Buscofem. Ambos possuem em sua fórmula ibuprofeno 400mg, em cápsula gelatinosa com conteúdo líquido. O marketing do Advil é voltado para dores em geral, como dores musculares, de cabeça, nas costas, de dente, artrite, cólicas menstruais, enxaqueca, etc. Já o marketing do Buscofem é voltado apenas para cólicas menstruais. Agora, se os medicamentos possuem a mesma fórmula e o mesmo tipo de cápsula, eles não serviriam para as mesmas coisas? Claro que sim! Mas tente convencer alguém de que o Buscofem também pode ser usado para dor de dente... Vão te chamar de burro (na melhor das hipóteses), e que está tentando enganá-las!

As indicações que vêm escritas na caixa dos medicamentos também são importantes para o marketing. Quando a pessoa procura um medicamento para uma finalidade específica, e um fabricante coloca esta informação na caixa, e outro não, a pessoa acaba comprando o que tem a informação, apesar de os medicamentos serem idênticos. Isso acontece muito no caso dos genéricos isentos de prescrição. Os medicamentos são iguais, passaram pelos mesmos testes, e tudo o mais. Só os fabricantes são diferentes. Então, embora as informações nas caixas variem, as indicações são exatamente as mesmas! Não é necessário comprar aquela que esteja escrito o que você precisa!

Portanto, embora o marketing direcione a opinião do consumidor para o que as empresas desejam, usar o bom-senso é fundamental. Sempre!

terça-feira, 26 de julho de 2011

Antialérgico ou hipoalergênico?

Frequentemente, ouço comentários do tipo: "comprei um brinco antialérgico", ou "este hidratante é antialérgico". E pela quantidade de vezes que isso acontece, nota-se que muitas pessoas desconhecem a diferença entre antialérgico e hipoalergênico.

Antialérgico: são medicamentos que agem contra os sintomas das reações alérgicas, ou seja, das alergias. Eles agem bloqueando a ação de uma substância liberada durante os processos alérgicos, que é a responsável por desencadear os sintomas das alergias: a histamina. Por isso, esses medicamentos antialérgicos são chamados tecnicamente de anti-histamínicos. Entre os medicamentos dessa categoria encontram-se a loratadina (Claritin), dexclorfeniramina (Polaramine), fexofenadina (Allegra), hidroxizina (Hixizine).

Hipoalergênico: produto que tem baixo potencial para causar alergias. Sabe-se que algumas substâncias têm maior potencial para causar alergias, em especial as de origem proteica. Portanto, as indústrias farmacêuticas e de cosméticos procuram formular produtos evitando utilizar ingredientes que tenham maior probabilidade de provocar reações alérgicas. Por essa razão esses produtos são chamados de hipoalergênicos. No entanto, isso não significa que eles não possam provocar alergia. Apenas a chance de acontecer uma reação alérgica é menor.

Espero ter esclarecido!

terça-feira, 12 de julho de 2011

O que faz engordar?

Muita gente pergunta todos os dias o que faz engordar: "vitamina engorda?", "creatina engorda?", "BCAA engorda?", "Whey protein engorda?", e até algumas absurdas, como: "diclofenaco engorda?"...

Mas afinal, o que nos faz engordar?

Quando falamos em engordar, geralmente nos referimos ao aumento da massa gorda corporal, ou seja, gordura mesmo. Mas também pode ser aumento de massa total, principalmente a muscular.

Para sabermos o que pode fazer engordar, devemos fazer uma análise da composição do alimento ou do produto. E ver a presença e a quantidade de carboidratos, proteínas e gorduras, pois:


  • 1 grama de carboidratos equivale a 4kcal (Calorias)
  • 1 grama de proteínas (ou aminoácidos) equivale a 4kcal também
  • 1 grama de gorduras equivale a 9kcal
  • E até o álcool tem Calorias: são 7kcal por grama!
Por aqui já dá pra perceber por que as vitaminas não engordam. Elas não têm calorias. (veja também: É verdade que vitaminas engordam?)

Em nosso organismo, os carboidratos e as proteínas podem transformar-se em gordura. O excesso de consumo deles, que não foi aproveitado como energia nem como "matéria-prima", será convertido em gordura e então armazenado.

Produtos como creatina, BCAA, Whey protein, aminoácidos (veja também: Suplementos alimentares para atletas), se tomados em excesso, podem sim engordar. Como já expliquei, as proteínas podem ser transformadas em gordura em nosso corpo. E isso pode acontecer também, e até mais facilmente, com a malto (maltodextrina), que é carboidrato.

Claro que estes produtos podem contribuir para o aumento da massa magra (músculos), desde que tomados da maneira correta, compatível com o tipo de treinamento e fatores como idade, sexo, etc.

No caso de medicamentos, eles por si só não engordam, pois também não possuem calorias (com exceção dos xaropes!), e se possuem, geralmente é desprezível, não fariam alguém engordar. No entanto, alguns medicamentos podem "abrir o apetite". Neste caso, fariam a pessoa comer mais, o que poderia levar a um aumento de peso. E em alguns outros casos, podem aumentar a retenção de líquidos, e a pessoa fica inchada. Poucos podem levar a um aumento de peso real, de gordura. Mesmo os anticoncepcionais, nos quais muitas mulheres colocam a culpa por terem engordado, não têm evidências científicas de que realmente engordem.

Resumindo: em geral, tudo o que nos faz engordar contém carboidratos, proteínas e gorduras. Mas só engordaremos de acordo com a nossa genética, e se a ingestão calórica for superior ao gasto calórico.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Suplementos alimentares para atletas

Exatamente como acontece com aqueles que procuram remédios para emagrecer, muitos procuram uma maneira de aumentar seu rendimento esportivo, ou ganhar massa muscular mais rapidamente, através da ingestão de produtos. Neste caso, de suplementos alimentares. Embora possam ser realmente eficaz para alguns tipos de atletas, para a maioria dos mortais será apenas jogar dinheiro fora com suplementos caros, ou, em alguns casos, prejudicar a saúde. Mas não é essa a imagem que os fabricantes e revendedores desses produtos querem passar, é claro. Exibindo fotos de pessoas extremamente musculosas, querem que acreditemos que qualquer pessoa ficará assim consumindo esses produtos.

Creatina, whey protein, BCAA, aminoácidos, maltodextrina e albumina, entre outros, fazem parte do vocabulário e do cotidiano dos frequentadores de academias. Em busca do corpo considerado perfeito - musculoso, definido, e com uma porcentagem mínima de gordura,- muitas destas pessoas não hesitam em consumir o que acharem necessário para que este objetivo seja alcançado.

Obs.: Se você chegou a este artigo para saber como deve tomar algum dos suplementos, não irá encontrar esta informação. Você deve procurar um profissional qualificado que irá orientá-lo a utilizar os produtos, de maneira personalizada.

Neste artigo, vou tentar explicar de uma maneira simplificada, em cada tipo de suplemento, para o que ele realmente serve, para o que muitas pessoas acham que ele serve, e os riscos do seu uso inadequado.

Mas antes, vamos ver alguns conceitos fundamentais para o entendimento dos suplementos:

- Aminoácidos: Unidades formadoras das proteínas.São divididos entre essenciais e não-essenciais. Os aminoácidos essenciais são assim chamados porque são essenciais na nossa dieta, já que nosso organismo não pode produzi-los. São eles: fenilalanina, isoleucina, leucina, lisina, metionina, treonina, triptofano, histidina e valina. E os aminoácidos não-essenciais são aqueles que o nosso fígado pode sintetizar, a partir de alguns aminoácidos essenciais, da glicose, e de outros produtos metabólicos. São eles: alanina, arginina, asparagina, ácido aspártico, ácido glutâmico, cisteína, glutamina, glicina, prolina, serina e tirosina.

- Proteínas: Substâncias formadas por sequência de centenas ou até milhares de aminoácidos. Podem ser formadas por alguns ou todos os aminoácidos citados anteriormente. Cada proteína existente possui uma "receita" de aminoácidos: quantidade total e a ordem de cada um deles. Imaginemos uma proteína que contenha 100 aminoácidos. Se trocarmos apenas 1 aminoácido, como o de número 53, de alanina para isoleucina, por exemplo, já teremos uma proteína diferente, e pode ser completamente diferente, com características totalmente diversas. Nosso corpo é formado em grande parte por proteínas. Cabelo, unhas, músculos, partes da pele, dos ossos, do sangue, as enzimas... Tudo isso é formado por proteínas.

- Carboidratos: São a principal fonte de energia do nosso organismo. Existe uma infinidade de tipos de carboidratos, mas eles só podem ser convertidos em energia após serem transformados em glicose; no entanto, nem todos podem ser transformados em glicose. Metabolicamente, podem ser convertidos em energia de modo aeróbico (na presença de oxigênio), em processo de oxidação, ou de modo anaeróbico (ausência de oxigênio), em processo de fermentação. O processo aeróbico tem um rendimento energético muito maior do que o anaeróbico, porém é um pouco mais lento.

- Anabolismo: O efeito anabólico está associado à construção, formação, aumento, crescimento, regeneração e manutenção dos tecidos do organismo. Quando fala-se em esteróides anabolizantes, eles são anabolizantes porque promovem aumento da massa muscular.

- Catabolismo: Exatamente o oposto do anabolismo. O efeito catabólico envolve utilização, consumo, destruição, digestão, diminuição, perda.

Valor biológico: É uma medida da proporção de proteína de um determinado alimento que será efetivamente incorporada às proteínas do organismo. Isto depende da composição de aminoácidos do alimento e da sua digestibilidade. Quanto mais alto for o valor biológico, mais aminoácidos o organismo irá reter. O ovo é a fonte natural de proteínas de mais alto valor biológico, sendo atribuído o valor de 100, e com o qual todos os outros alimentos são comparados.


SUPLEMENTOS

1. Creatina

A creatina é um tripeptídeo, ou seja, é formada por 3 aminoácidos, a saber: arginina, glicina e metionina. É encontrada naturalmente em todos os vertebrados (incluindo nós, os humanos). Sua função metabólica é "levar" energia para todas as células do corpo, porém especialmente para as células dos músculos.

  • Para o que realmente serve: Reposição do estoque energético dos músculos. Em atividades de esforço muscular intenso (100 metros rasos, musculação, etc), os músculos utilizam reservas energéticas (chamadas de ATP) já formadas, pois precisa utilizar muita energia em poucos segundos, e não há tempo para esperar a produção de mais ATP originado do metabolismo da glicose com o oxigênio, que é mais lenta (embora produza bem mais ATP). A creatina serve justamente para recuperar o ATP na ausência do oxigênio (processo anaeróbico), permitindo que o exercício dure por mais alguns segundos. Mas a própria creatina que produzimos em nosso corpo já faz isso. A suplementação pode fazer com que a duração do esforço muscular aumente um pouco mais, mas isso só faz diferença para atletas de alto nível, onde qualquer ganho pode ser significativo. E não faz diferença alguma em exercícios aeróbicos, como corridas de longas distâncias, natação, etc.
  • Para o que as pessoas acham que serve: Aumento da massa muscular. Normalmente, as pessoas compram suplementos de creatina com o objetivo de aumentar a massa muscular. E quando começam a tomar este suplemento, sentem que em pouco tempo ele já está fazendo efeito. Só que é ilusório: não ocorre aumento de massa muscular, e sim uma retenção de líquidos. Parece que é músculo, mas é só água!
  • Riscos do uso inadequado: Pesquisas mostraram que o consumo de até 20g por dia parece ser seguro. No entanto, há relatos de danos renais relacionados ao uso de creatina.

2.  Maltodextrina

A maltodextrina, conhecida também como malto, é um suplemento energético, geralmente derivado do amido de milho. É formado por polímeros de glicose de tamanhos diferentes, o que faz com que seja absorvido lenta e gradualmente, mantendo o fornecimento de energia por um tempo mais prolongado.

  • Para o que realmente serve: Manter o fornecimento de energia em atividades aeróbicas de longa duração, como as maratonas, onde necessita-se manter o estoque de carboidratos durante o esforço, evitando que a energia seja retirada da massa muscular.
  • Para o que as pessoas acham que serve: Aumento da massa muscular. Parece incrível, mas muita gente acha que isso aumenta a massa muscular. Na verdade, ela poderia ter algum auxílio se tomada após a musculação, como reposição do estoque energético dos músculos. Assim, diminuiria o auto-consumo muscular. Mas daí a aumentar a massa muscular... Não é bem assim!
  • Riscos do uso inadequado: Por ser carboidrato, o que não for consumido como energia na atividade física, será transformado em gordura e em seguida armazenado. Se for ingerido sem um gasto energético compatível, o indivíduo além de não aumentar a massa muscular, vai aumentar a barriga (o famoso "panceps")! Ou seja, só deve ser usado em atividades onde o gasto energético seja muito elevado.

3.  BCAA

BCAA é a sigla em inglês para Branched-Chain Amino Acids (Aminoácidos de Cadeia Ramificada). São 3 os aminoácidos que possuem cadeia ramificada: leucina, isoleucina e valina.

  • Para o que realmente serve: Em casos de utilização muscular intensa, estudos têm demonstrado que a utilização de BCAAs, principalmente a leucina, poderia estimular a síntese proteica e diminuir o catabolismo proteico muscular. eles podem então ser efetivos no anabolismo proteico muscular, e na diminuição da lesão muscular após o exercício. Por isso os BCAAs são conhecidos por seu efeito anti-catabólico.
  • Para o que as pessoas acham que serve: Há quem diga que os BCAAs servem para aumentar o rendimento físico. Porém, não há evidências de que a suplementação com BCAAs exerça efeito significativo sobre ele.
  • Riscos do uso inadequado: Os principais efeitos adversos relatados com o uso do suplemento, especificamente com altas doses, são: desconforto gastrintestinal, como diarréia, além de comprometer a absorção de outros aminoácidos.

4. Whey Protein

Whey é o nome em inglês para o soro do leite. Whey protein são as proteínas extraídas do soro do leite,  que contêm alto teor de aminoácidos essenciais, incluindo os de cadeia ramificada (BCAAs). Possui altíssimo valor biológico, superior inclusive ao do ovo. As proteínas solúveis do soro do leite apresentam um excelente perfil de aminoácidos. Possuem peptídeos bioativos do soro, que conferem a essas proteínas diferentes propriedades funcionais. Os aminoácidos essenciais, com destaque para os de cadeia ramificada, favorecem o anabolismo, assim como a redução do catabolismo protéico, favorecendo o ganho de força muscular e reduzindo a perda de massa muscular durante a perda de peso. O alto teor de cálcio favorece a redução da gordura corporal. Melhoram, também, o desempenho muscular, por elevarem as concentrações de glutationa, diminuindo, assim, a ação dos agentes oxidantes nos músculos esqueléticos.
  • Para o que realmente serve: Segundo estudos, quanto menor o intervalo entre o término do exercício e a ingestão protéica, melhor será a resposta anabólica ao exercício. Existem diferentes vias pelas quais as proteínas do soro favorecem a hipertrofia muscular e o ganho de força, otimizando, dessa forma, o treinamento e o desempenho físico. A quantidade e o tipo de proteína ou de aminoácido, fornecidos após o exercício, influenciam a síntese protéica. Estudos têm mostrado que somente os aminoácidos essenciais, e em especial a leucina, são necessários para estimular a síntese protéica.
  • Riscos do uso inadequado: Estudos mostram que o consumo de proteínas, mesmo em doses elevadas, não parece causar uma sobrecarga dos rins. Porém, mesmo uma leve insuficiência renal poderia ser agravada com um consumo elevado de proteínas.

Suplementos engordam? Se tomados de maneira errada, incompatível com o gasto calórico e o tipo de treino, poderão ser transformados em gordura e então armazenados. Ou seja, podem engordar, sim! Explicações mais detalhadas em: O que faz engordar?

Muitas pessoas perguntam: quanto tempo levarão para aumentar a massa muscular com o uso dos suplementos? E a resposta é: Depende! Do quê? Do tipo de suplementos, do tipo de treinamento e, o principal, da genética! E também não adianta nada começar a usar suplementos antes de começar a treinar, como muitos fazem!

Portanto, se você não quiser jogar seu dinheiro fora, ou pior, jogar sua saúde fora, consulte sempre um nutricionista ou um médico nutrólogo, que indicarão se e o que você precisa. Ok?

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Os perigos dos chazinhos contra gripe (tipo Vick Pyrena)

Calma! Não se assuste! Esses chazinhos "contra gripe" não são perigosos por eles próprios. O problema é que muitos usam de maneira errada...

Muita gente compra esses medicamentos em forma de chá, achando que são complementos ao tratamento com os chamados antigripais, como o Naldecon e o Resfenol, por exemplo. Mas o que a maioria não sabe, é que o que faz efeito nesses chás é o paracetamol, que encontra-se na dosagem de 500mg. O paracetamol serve como analgésico e antipirético (antitérmico), ou seja, para dores e febre. E muitos medicamentos contra gripe (como os dois citados anteriormente) e alguns analgésicos também possuem o paracetamol em suas composições.

Porém, não devemos associar medicamentos que contêm paracetamol, já que altas doses deste fármaco são hepatotóxicas (=tóxicas para o fígado). Isto acontece porque o paracetamol, depois de sofrer algumas transformações no organismo, forma diversas substâncias (metabólitos). Uma delas é tóxica. Todavia, em doses baixas ela é rapidamente neutralizada por uma substância chamada glutationa. Em doses altas, essa neutralização acaba com o estoque de glutationa, que é um antioxidante (protege as células contra os radicais livres). Sem glutationa, as células do fígado passam a ser atacadas pelos radicais livres, e consequentemente morrem, podendo levar a uma falência hepática seguida de morte do paciente em poucos dias. E se o paciente for usuário de bebidas alcoólicas, pior ainda. A dose tóxica de paracetamol é ainda menor do que para quem não bebe.

Segundo Anthony Wong, Chefe do Centro de Assistência Toxicológica (Ceatox) do Hospital das Clínicas de São Paulo:

1) "Ao tomar mais de um remédio, primeiro verifique se eles contêm a substância paracetamol. Caso contenham, não ultrapasse a margem terapêutica recomendada (segundo a FDA nos EUA, esta é de 4 g / dia).
2) Em segundo lugar, não se pode pensar que o medicamento é seguro só porque é vendido sem prescrição. São remédios como outro qualquer e requerem cuidado. É preciso lembrar que a intoxicação por paracetamol é muito mais frequente do que o que se pensava antigamente.
3) Por último, nunca se deve fazer automedicação, mesmo com remédios de venda livre, principalmente para crianças. O fato de ser de venda livre não reduz em nada os possíveis efeitos danosos."
4)"Além disso, quem ingerir três ou mais doses de bebidas destiladas (como uísque, pinga, vodca, gim) NÃO deve tomar paracetamol."

Conclusão: o chazinho não é apenas um chá, mas sim um medicamento! E como tal deve ser tomado com cautela. Quanto ao efeito, é exatamente a mesma coisa tomar um envelope de Vick Pyrena ("chá Vick") ou um comprimido de Tylenol 500mg. O fato de ele ser "quentinho" só traz uma sensação de maior conforto, pois psicologicamente remete aos cuidados da mãe que preparava um chazinho pro filho doente.

Este é um dos exemplos do por quê de os medicamentos não poderem mais ficar ao alcance direto do público nas farmácias. É para que as pessoas possam ser orientadas pelo farmacêutico, e não coloquem suas vidas em risco. Depois desta lei entrar em vigor, já orientei muita gente que ia fazer bobagem. E ainda tem gente que é contra ela...

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Medição da pressão arterial em farmácias

Todo mundo sabe da importância de se controlar a pressão arterial para a manutenção da saúde a longo prazo. E um dos meios de para fazer este controle é comparecer a uma farmácia que ofereça este serviço. Muitas farmácias oferecem. E muitas pessoas vão a estas farmácias para medir (ou verificar, ou aferir, ou "tirar" - discutirei estes termos num outro post) sua pressão. Ótimo! Só que grande parte delas vai pelo motivo errado!

Explico:

O serviço de medição da pressão arterial em farmácias tem como objetivo o controle, ou seja, a pessoa deveria fazer isto com frequência, para assegurar que sua pressão esteja dentro dos parâmetros considerados ideais. Serve, por exemplo, para que os hipertensos que estão fazendo uso de medicamentos anti-hipertensivos possam saber se esses remédios estão fazendo o efeito desejado, se conseguiram baixar a pressão para os níveis adequados.

Mas o que mais acontece são pessoas que estão se sentindo mal, ou com dor de cabeça, irem procurar a farmácia para medir a pressão! Isso é errado! Por quê? Porque se a pressão estiver alterada, esta pessoa vai perguntar: "O que eu devo tomar?"

E é aí que mora o perigo! Existem diversos motivos para que a pressão esteja alterada. E isto não significa que se deva tomar algo naquele momento. A pressão alta, por um curto período, não causa problema algum. Até mesmo uma atividade física eleva a pressão momentaneamente. O problema é quando a pressão permanece elevada por longos períodos (dias, semanas, meses...). Nestes casos sim é que um tratamento medicamentoso pode ser indicado. Mas somente o médico é quem indicará a necessidade disto.

Mas e nos casos de pressão baixa? Bem, se a pessoa passou mal e quis medir a pressão, pode acontecer dela realmente estar baixa. E o diálogo seguiria mais ou menos assim: "Sim, sua pressão está baixa....". "Oh, e o que eu devo fazer???". "Só deitar um pouco e colocar as pernas mais elevadas do que a cabeça.". "Mas nem colocar sal embaixo da língua?"

Não!!! Em casos de episódios isolados de queda da pressão, que não têm maior importância clínica, em poucos minutos o organismo irá regular sozinho esta pressão. Não há necessidade de usar sal.

Como podemos ver, medir a pressão em farmácias quando se sente que ela está alterada, em nada contribui para a melhora. Pelo contrário, já que o cidadão vai querer se auto-medicar! Por isto que a medição em farmácias foi proibida no Brasil, e assim ficou por muitos anos. Se a pessoa estiver preocupada, deve procurar atendimento hospitalar, e não a farmácia. 

Resumindo: a medição da pressão na farmácia deve ser feita apenas para controle, e não para tentar corrigir uma variação! Estamos entendidos?

.

sábado, 18 de junho de 2011

Remédios para emagrecer

Que pessoa no mundo, desejando perder alguns (ou muitos) quilinhos, nunca pensou em tomar algum remédio milagroso, que faça com que este objetivo seja facilmente alcançado? Ou seja, não só emagrecer, mas emagrecer rápido?

Certamente, muito poucas! Por quê? Porque perder peso naturalmente é quase sempre uma tarefa árdua, que exige mudança de hábitos alimentares e cansativos exercícios físicos.

Então, nada mais óbvio do que o desejo de se tomar um comprimido que faça com que o excesso de gordura do corpo simplesmente se "evapore", enquanto estamos sentados no sofá, assistindo televisão e comendo um balde de pipoca e "secando" 1 litro de refrigerante! Mas qual é o problema disso?

De fato, muitos medicamentos funcionam bem para a perda de peso (embora à custa de muitos efeitos colaterais). Os medicamentos com esta finalidade são chamados de anorexígenos (inibidores de apetite). São derivados da anfetamina, como o femproporex, o mazindol e a anfepramona (dietilpropiona). Alguns antidepressivos (fluoxetina, sibutramina), embora não sejam exatamente anorexígenos, são muitas vezes referidos como tal. 

E também existem outros tipos que são utilizados, como inibidores da absorção intestinal de gorduras (orlistat), e os "naturais" (e com resultados duvidosos) chá verde, chá branco, chá amarelo, chá vermelho (um arco-íris de chás!), shakes, quitosana, a recém-proibida Ração Humana... Uma lista enorme de produtos!

E o que tudo isso tem em comum?

Embora a maioria dos produtos citados realmente tenha alguma eficácia na perda de peso, ninguém vai tomá-los todos os dias para o resto da vida. E isto inclui também as dietas milagrosas. Ou seja, depois que o objetivo for atingido, aos poucos as pessoas voltam a comer da mesma forma que antes, ou até pior. E o resultado é a recuperação do peso perdido (e muitas vezes, ganha-se ainda mais do que antes). E então voltam a usar mais remédios, ou fazem uma nova dieta milagrosa, e vira um efeito-sanfona altamente prejudicial à saúde.

Portanto, não se iludam: perder peso exige uma mudança na alimentação sim, mas de um modo que se consiga fazer pelo resto da vida, de maneira saudável. Não precisa nem se privar dos "vilões" (chocolate, frituras, pizza, etc), desde que se coma moderadamente. Isto se chama Reeducação Alimentar. E, é claro, a inclusão de atividades físicas na rotina diária.

NÃO EXISTEM MEDICAMENTOS MILAGROSOS! A chave está na mudança dos hábitos! Pensem nisto!

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Medicamentos em Gotas: deve-se tomá-los com muita água ou pouca água?

Já presenciei por diversas vezes a seguinte cena: o cliente compra um medicamento em gotas, e quer tomá-lo ali mesmo, na farmácia. Pede um copo d'água para um funcionário, que prontamente o atende, levando um copo cheio. Aí o cliente diz: "Não! Está muito cheio! O remédio vai ficar fraco!". Então toma alguns goles, deixando apenas um pouco de água, e diz: "Agora, sim!", e pinga as gotas nesta água, e em seguida toma tudo.

O que há de errado nisto?

Vamos imaginar um exemplo: esta pessoa deve tomar 20 gotas do medicamento. Se ela colocar 20 gotas num pouquinho de água, e tomar toda esta água, ela terá tomado as 20 gotas do medicamento. E se ela colocar 20 gotas num copo cheio de água? Se ela tomar tudo, vai ter tomado as 20 gotas do remédio também!

Portanto, não importa a quantidade de água, e sim se a pessoa vai tomar toda a água com o medicamento.

Mas o mais absurdo da situação do início do post é a pessoa ter tomado o "excesso" de água do copo. Porque se isso deixasse o remédio mais fraco, esta água estaria no estômago dela e "enfraqueceria" o remédio que cairia lá em seguida...

terça-feira, 7 de junho de 2011

Qual o significado das siglas nos medicamentos (BD, XR, SR, etc)?

Vários medicamentos apresentam, após seus nomes comerciais, algumas siglas como BD, XR, SR, SRO, DI, SL, AP, CLR, LP, CD... Mas elas significam exatamente o quê?

Para entendermos o significado das siglas, bem como suas diferenças, é necessário o entendimento de alguns conceitos básicos:

Liberação (em inglês, release): O princípio ativo contido num medicamento precisa sair dele, ser liberado, para tornar-se disponível para absorção pelo organismo, e assim fazer seu efeito.

Liberação convencional: É a liberação regular, comum. Aquela cujo padrão de liberação não foi modificado.

Liberação modificada (modified release): É aquela cujas características de liberação do princípio ativo (fármaco) foram alteradas, para se conseguir um melhor efeito terapêutico, e menos efeitos colaterais, ou para uma maior conveniência do paciente, que pode, por exemplo, diminuir o número de tomadas diárias. Todas as siglas das quais falaremos referem-se aos diferentes tipos de liberação modificada.

Agora, vamos às siglas propriamente ditas:

XR (eXtended Release - Liberação Estendida): A liberação estendida tem como objetivo manter a liberação do fármaco por um período maior de tempo. Neste tipo, a liberação é suficientemente lenta para que seja possível estender o intervalo entre as doses por duas vezes ou mais. Exemplos: Efexor XR, Cipro XR, Glifage XR, Alenthus XR, Frontal XR

SR (Sustained Release - Liberação Sustentada): modalidade da liberação estendida que permite uma rápida liberação de uma dose ou fração do princípio ativo, seguida de uma liberação gradual da dose restante, por um período de tempo prolongado. Ou seja, ação rápida e duradoura. Exemplos: Voltaren SR, Indapen SR

BD (Bis in Die): Bis in die é uma expressão em latim que significa duas vezes em um dia. Os medicamentos com a sigla BD, portanto, devem ser tomados 2 vezes ao dia. São medicamentos que, em suas versões "normais", devem ser tomados 3 vezes ao dia (a cada 8 horas), e nas versões BD, apenas 2 vezes (a cada 12h), o que facilita a adesão ao tratamento e a correta utilização destes medicamentos. Exemplos: Amoxil BD, Clavulin BD, Velamox BD.

Outras variações são:

AP (Ação Prolongada): Exemplo: Tylenol AP
LP (Liberação Prolongada):  Exemplo: Biofenac LP
DI (Desintegração Instantânea):  Exemplo: Biofenac DI
CLR (Crono-Liberação Regulada): Exemplo: Biofenac CLR
CD (Controlled Diffusion): controle da liberação do princípio ativo. Exemplo: Angipress CD
SRO (Sustained Release Oral): Exemplos: Hydergine SRO, Parlodel SRO
CR (Controlled Release): Exemplos: Tegretol CR, Adalat CR

E existem ainda algumas siglas que não têm a ver com a modificação na liberação, como:

Tylenol DC (Dor de Cabeça), Feldene SL (Sub-Lingual)

sexta-feira, 27 de maio de 2011

O que seria um remédio forte?

Eu me lembro de uma reportagem que assisti na TV, há alguns anos, que falava sobre o uso incorreto de antibióticos. Uma senhora estava sendo entrevistada, e disse que interrompeu o tratamento da filha porque acreditava que o remédio era "muito forte"... Agora eu pergunto: o que é um remédio forte? O que você entende por remédio forte?

Pelo que tenho observado, cada um entende uma coisa diferente! Uns dizem que a dosagem (miligramas) é alta, outros dizem que tem muitos efeitos colaterais... A questão é: não dá pra dizer que um medicamento é forte!

Exemplo: é bastante comum me perguntarem se o antibiótico X é mais forte do que o Y. E minha resposta é: não existe antibiótico mais forte do que outro. Existem antibióticos que matam certos tipos de bactérias, e outros que matam outros tipos... O antibiótico precisa ser o correto para aquela bactéria que está causando a infecção. Não existe isso de ser mais forte ou mais fraco!

Outro exemplo: nimesulida 100mg é mais forte que meloxicam 15mg? Parece que sim, não é? 100mg contra apenas 15mg... Mas, na verdade, seria o contrário! Isto porque precisamos de apenas 15mg de meloxicam para produzir o "mesmo" efeito de 100mg da nimesulida. Então, dizemos que o meloxicam é mais potente (este é o termo correto) do que a nimesulida.

Porém, quando se trata do mesmo medicamento, como o próprio meloxicam, que existe nas dosagens de 7,5mg e 15mg, aí podemos dizer que o de 15 é mais forte que o de 7,5. Mas somente nestes casos! E jamais com medicamentos diferentes!

terça-feira, 24 de maio de 2011

Remédios: devemos tomá-los com estômago cheio ou vazio?

Quando você vai tomar um remédio, deve tomá-lo com o estômago cheio, certo??? ERRADO!!!!!! Sua mãe já deve ter falado para você comer alguma coisa antes de tomar seu remédio, ou tomá-lo com leite. Todas as mães falam isso! Mas, na verdade, muitos medicamentos devem ser tomados com o estômago vazio, mesmo. Isto porque eles necessitam do ambiente mais ácido do estômago para poderem ser absorvidos. Já alguns outros são melhor absorvidos na presença de alimentos, ou agridem menos o estômago neste caso. E outros, possivelmente a maioria, não sofrem interferência na presença ou ausência de alimentos.

Existem também medicamentos que possuem interação com determinados tipos de alimentos. Por exemplo, a tetraciclina não deve ser tomada com leite ou outros alimentos ricos em cálcio, pois ela se liga ao cálcio, formando um complexo que não pode ser absorvido pelo organismo, diminuindo a ação do medicamento.

- Exemplos de medicamentos que devem ser tomados com o estômago vazio:


  • Norfloxacino
  • Captopril
  • Omeprazol
  • Cefalexina
  • Cefadroxila
  • Azitromicina
  • Doxiciclina
  • Loratadina
  • Sulfato ferroso
  • Rifampicina
  • Ciprofloxacino (pode ser tomado com refeições leves, desde que não contenham leite e derivados)

Obs.: Estômago vazio é considerado quando se está em jejum, ou 1 hora antes ou 2 depois das refeições.

Exemplos de medicamentos que devem ser tomados com alimentos (estômago cheio):



  • Cetoconazol
  • Itraconazol
  • Hidralazina
  • Pentoxifilina
  • Predinisona
  • Valproato  de sódio
  • Carbamazepina


Exemplos de medicamentos que podem ser tomados com o estômago cheio ou vazio:



  • Alopurinol
  • Amoxicilina
  • Amiodarona
  • Diclofenaco


O correto, SEMPRE, é ler a bula do medicamento e verificar como ele deve ser tomado. Ou perguntar para o farmacêutico. Porém, se você jogou fora a bula, e está longe de algum farmacêutico, opte por tomar o remédio sem alimentos, somente com água. Assim, você até poderá ter alguma dor no estômago, mas provavelmente não vai atrapalhar a ação do medicamento.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Você sabe o que significa "10 volumes" na Água Oxigenada?

Alguma vez você já se perguntou o que são os volumes da água oxigenada? 10 volumes, 20 volumes, 30, 40... Tem até aqueles que dizem "volume 10"! Mas o que exatamente são estes volumes? E por que 10, 20, 30, 40?

Bem, a água oxigenada é o nome popular da substância de nome químico peróxido de hidrogênio, cuja fórmula é H2O2, ou seja, água (H2O) com mais um átomo de oxigênio (O), por isso água oxigenada. Quando se decompõe, cada molécula de água oxigenada libera um átomo de oxigênio. Este oxigênio é altamente reativo (e por isso é o responsável pela ação antisséptica da água oxigenada), e rapidamente combina-se com outro oxigênio para formar o gás oxigênio (O2).

Esta explicação foi um pouco técnica, mas é necessária para o entendimento dos "volumes":

Então, você sabe que a água oxigenada é comercializada como 10, 20, 30 volumes. Este número aumenta conforme a concentração do peróxido de hidrogênio na fórmula. Lembra-se do oxigênio liberado na decomposição? É ele que vai dar o "volume" da água oxigenada! Vou explicar utilizando exemplos:

  • 1 litro de água oxigenada libera 10 litros de gás oxigênio (O2). 10 litros de oxigênio é 10 vezes o volume de 1 litro de água oxigenada, por isso, ela é chamada de 10 volumes.
  • 1 litro de água oxigenada libera 20 litros de gás oxigênio (O2). 20 litros de oxigênio é 20 vezes o volume de 1 litro de água oxigenada, por isso, ela é chamada de 20 volumes...

...e assim por diante! Quanto maior a concentração do peróxido de hidrogênio, maior a liberação do gás oxigênio, e maior o volume da água oxigenada!

terça-feira, 3 de maio de 2011

Qual a diferença entre Diclofenaco Sódico, Diclofenaco Potássico e Diclofenaco Colestiramina?

Caso você esteja procurando pelo uso de diclofenaco sódico ou potássico por hipertensos, clique aqui.


Qual a diferença entre o diclofenaco sódico, o diclofenaco potássico e o diclofenaco colestiramina?

Há uma lenda espalhada entre a população e também entre muitos balconistas de farmácia, que diz que o sódico serve para inflamações de tecidos "duros" (como articulações, ossos, etc), o potássico para tecidos "moles" (garganta, etc)... Mas qual será a verdade por trás das diferentes formas?

Quimicamente, o diclofenaco pode estar ligado a um íon sódio, potássio, ou à colestiramina (que é uma resina).

Todos os tipos de diclofenaco, depois de absorvidos pelo organismo, são exatamente a mesma coisa: apenas diclofenaco. No estômago, o sódico perde seu íon sódio e o potássico perde o íon potássio. E o diclofenaco colestiramina separa-se da colestiramina.

Portanto, a diferença está na velocidade com que cada um deles será absorvido!

O diclofenaco potássico é mais solúvel em água do que o sódico. Isso faz com que ele seja absorvido mais rapidamente, e também inicie sua ação mais rapidamente. Já o diclofenaco colestiramina tem uma absorção bem rápida (e um início de ação rápido), mas também gradual, o que permite que atinja uma concentração no sangue menor, e um tempo de ação maior no organismo.

Ainda assim, os três tipos continuam sendo o mesmo diclofenaco, e a ação farmacológica tem que ser obviamente a mesma. Porém, as indicações podem ser diferentes dependendo da necessidade de um início de ação mais rápido, ou de uma duração mais prolongada.

Curiosidade: o nome diclofenaco é derivado de seu nome químico em inglês: 2-[(2,6-dichlorophenyl)  amino] benzeneacetic aciddichlophenac, simplificado para diclofenac, e recebendo um "o" no final, pela Denominação Comum Brasileira (DCB).

terça-feira, 26 de abril de 2011

Efeitos dos Refrigerantes sobre nossa saúde - Parte 3

Nesta terceira parte, vou mostrar o que disse a nutricionista americana Michelle Schoffro Cook, em uma lista sobre o que ela considera como os 10 piores alimentos de todos os tempos. Em segundo lugar, ficaram os refrigerantes. E no primeiríssimo lugar, os refrigerantes diet!!! Vejam só:



"2º Lugar - Refrigerante

Michelle conta que, de acordo com uma pesquisa do Dr. Joseph Mercola, 'uma lata de refrigerante possui em média 10 colheres de chá de açúcar, 150 calorias, entre 30 e 55 mg de cafeína, além de estar repleta de corantes artificiais e sulfitos. Somente isso já deveria fazer você repensar seu consumo de refrigerantes', diz a nutricionista.
Além disso, essa bebida é extremamente ácida, sendo necessários 30 copos de água com pH balanceado para neutralizar essa acidez, que pode ser muito perigosa para os rins. Para completar, ela informa que os ossos funcionam como uma reserva de minerais, como o cálcio, que são despejados no sangue para ajudar a neutralizar a acidez causada pelo refrigerante, enfraquecendo os ossos e podendo levar a doenças como osteoporose, obesidade, cáries e doenças cardíacas.

1º Lugar - Refrigerante Diet

'Refrigerante Diet é a minha escolha para o Pior Alimento de Todos os Tempos', diz Michelle. Segundo a nutricionista, além de possuir todos os problemas dos refrigerantes tradicionais, as versões diet contêm aspartame, que agora é chamado de AminoSweet. De acordo com uma pesquisa de Lynne Melcombe, essa substância está relacionada a uma lista de doenças, como ataques de ansiedade, compulsão alimentar e por açúcar, defeitos de nascimento, cegueira, tumores cerebrais, dor torácica, depressão, tonturas, epilepsia, fadiga, dores de cabeça e enxaquecas, perda auditiva, palpitações cardíacas, hiperatividade, insônia, dor nas articulações, dificuldade de aprendizagem, TPM, cãibras musculares, problemas reprodutivos e até mesmo a morte.
'Os efeitos do aspartame podem ser confundidos com a doença de Alzheimer, síndrome de fadiga crônica, epilepsia, vírus de Epstein-Barr, doença de Huntington, hipotireoidismo, doença de Lou Gehrig, síndrome de Lyme, doença de Ménière, esclerose múltipla, e síndrome pós-pólio. É por isso que eu dou ao Refrigerante Diet o prêmio de Pior Alimento de Todos os Tempos', conclui."

E então? Vai continuar consumindo refrigerantes em todas as refeições??? Sim, porque conheço pessoas (e são muitas) que tomam refrigerante até no café-da-manhã!

Claro, ninguém precisa abolir completamente o consumo de refrigerantes. Mas sempre que possível, substitua-os por sucos (naturais, é óbvio), leite, água, água de côco... E certamente algum engraçadinho que está lendo isto dirá: "Viu? Eu sempre falei que essas porcarias faziam mal à saúde! Por isso eu tomo é cerveja!!!"... Mas aí já é outro assunto...


Voltar para a Parte 1
Voltar para a Parte 2

Efeitos dos Refrigerantes sobre nossa saúde - Parte 2

Nesta segunda parte, vou colocar o que escreveu um professor da Faculdade de Educação Física e mestre em Nutrição da Universidade Federal de Mato Grosso:

"O QUE ACONTECE QUANDO VOCÊ ACABA DE BEBER UMA LATA DE REFRIGERANTE:


Primeiros 10 minutos:
10 colheres de chá de açúcar batem no seu corpo, 100% do recomendado diariamente.
Você não vomita imediatamente pelo doce extremo, porque o ácido fosfórico corta o gosto.

20 minutos:
O nível de açúcar em seu sangue estoura, forçando um jorro de insulina.
O fígado responde transformando todo o açúcar que recebe em gordura (é muito açúcar para este momento em particular, e o que não é utilizado como energia neste instante, é transformado em gordura).

40 minutos:
A absorção de cafeína está completa. Suas pupilas dilatam, a pressão sanguínea sobe, o fígado responde bombeando mais açúcar na corrente. Os receptores de adenosina no cérebro são bloqueados para evitar tonteiras.

45 minutos:
O corpo aumenta a produção de dopamina, estimulando os centros de prazer do corpo. (Fisicamente, funciona como com a heroína...)

50 minutos:
O ácido fosfórico empurra cálcio, magnésio e zinco para o intestino grosso, aumentando o metabolismo.
As altas doses de açúcar e outros adoçantes aumentam a excreção de cálcio na urina, ou seja, você está urinando seus ossos, uma das causas das OSTEOPOROSE.

60 minutos:
As propriedades diuréticas da cafeína entram em ação. Você urina.
Agora é garantido que porá para fora cálcio, magnésio e zinco, os quais seus ossos precisariam..
Conforme a onda abaixa você sofrerá um choque de açúcar.
Ficará irritadiço.
Você já terá posto para fora tudo que estava no refrigerante, mas não sem antes ter posto para fora, junto, coisas das quais farão falta ao seu organismo."

Prof. Dr. Carlos Alexandre Fett


Faculdade de Educação Física da UFMT 
Mestrado da Nutrição da UFMT
Laboratório de Aptidão Física e Metabolismo
Consultoria em Performance Humana e Estética

Se você ainda tiver estômago, leia agora a Parte 3

Voltar para a Parte 1


...

Efeitos dos Refrigerantes sobre nossa saúde - Parte 1

Tenho lido e ouvido muita coisa sobre refrigerantes ultimamente. Sobre seus efeitos em nossa saúde. E são de arrepiar! Por isso, achei importante compartilhar com todos vocês, para que saibam o que vocês e suas famílias estão tomando.

Vou iniciar esta série de 3 partes sobre os efeitos dos refrigerantes, com um resumo de um artigo que li no blog Metendo o Bico, onde o autor, um brasileiro que trabalha nos EUA produzindo uma versão americana do guaraná, fala um pouco do que aprendeu sobre refrigerantes, em especial sobre a Coca-Cola. Vejam só:

"Na verdade, a fórmula 'secreta' da Coca-Cola se desvenda em 18 segundos em qualquer espectrômetro-óptico, e basicamente até os cachorros a conhecem. Só que não dá para fabricar igual, a não ser que você tenha uns 10 bilhões de dólares para brigar com a Coca-Cola na justiça, porque eles vão cair matando.

A fórmula da Pepsi tem uma diferença básica da Coca-Cola e é proposital exatamente para evitar processo judicial. Não é diferente porque não conseguiram fazer igual não, é de propósito, mas próximo o suficiente para atrair o consumidor da Coca-Cola que quer um gostinho diferente com menos sal e açúcar.

Entre outras coisas, fui eu quem teve que aprender tudo sobre refrigerante gaseificado para produzir o guaraná Golly aqui (nos EUA), que usa o concentrado Brahma. Está no mercado até hoje, mas falhou terrivelmente em estratégia promocional e vende só para o mercado local, tudo isso devido à cabeça dura de alguns diretores.

Tive que aprender química, entender tudo sobre componentes de refrigerantes, conservantes, sais, ácidos, cafeína, enlatamento, produção de label de lata, permissões, aprovações e muito etc. e tal. Montei um mini-laboratório de análise de produto, equipamento até para analisar quantidade de sólidos, etc.

Tire a imensa quantidade de sal que a Coca-Cola usa e você verá que a Coca-Cola fica igualzinha a qualquer outro refrigerante sem-vergonha e porcaria, adocicado e enjoado. É exatamente o Cloreto de Sódio em exagero que refresca e ao mesmo tempo dá sede em dobro, pedindo outro refrigerante, e não enjoa porque o tal sal mata literalmente a sensibilidade ao doce, que também tem de montão: 39 gramas de 'açúcar' (sacarose) por lata.

É ridículo, dos 350 gramas de produto líquido, mais de 10% é açúcar. Imagine numa lata de Coca-Cola, mais de 1 centímetro e meio da lata é açúcar puro... Isso dá aproximadamente umas 3 colheres de sopa CHEIAS DE AÇÚCAR POR LATA !...

- Fórmula da Coca-Cola?...

Simples: Concentrado de Açúcar queimado - Caramelo - para dar cor escura e gosto; ácido ortofosfórico (azedinho); sacarose - açúcar (HFCS - High Fructose Corn Syrup - açúcar líquido da frutose do milho); extrato da folha da planta COCA (África e Índia) e poucos outros aromatizantes naturais
de outras plantas, cafeína, e conservante que pode ser Benzoato de Sódio ou Benzoato de Potássio, Dióxido de carbono de montão para fritar a língua quando você a toma e junto com o sal dar a sensação de refrigeração.

O uso de ácido ortofosfórico e não o ácido cítrico como todos os outros usam, é para dar a sensação de dentes e boca limpa ao beber. O ácido fosfórico literalmente frita tudo e em quantidade pode até causar decapamento do esmalte dos dentes, coisa que o cítrico ataca com muito menor violência, pois o ortofosfórico 'chupa' todo o cálcio do organismo, podendo causar até osteoporose, sem contar o comprometimento na formação dos ossos e dentes das crianças em idade de formação óssea, dos 2 aos 14 anos. Tente comprar ácido fosfórico para ver as mil recomendações de segurança e manuseio (queima o cristalino do olho, queima a pele, etc.).

Só como informação geral, é proibido usar ácido fosfórico em qualquer outro refrigerante, só a Coca-Cola tem permissão... (claro, se tirar, a Coca-Cola ficará com gosto de sabão).

O extrato da coca e outras folhas quase não mudam nada no sabor, é mais efeito cosmético e mercadológico, assim como o guaraná, você não sente o gosto dele, nem cheiro, (o verdadeiro guaraná tem gosto amargo) ele está lá até porque legalmente tem que estar (questão de registro comercial), mas se tirar você nem nota diferença no gosto. O gosto é dado basicamente pelas quantidades diferentes de açúcar, açúcar queimado, sais, ácidos e conservantes.

- Refrigerante DIET

Quer saber a quantidade de lixo que tem em refrigerante diet? Não uso nem para desentupir a pia, porque tenho pena da tubulação de pvc... Olha, só para abrir os olhos dos cegos: os produtos adocicantes diet têm vida muito curta. O aspartame, por exemplo, após 3 semanas de molhado passa a ter gosto de pano velho sujo.

Para evitar isso, soma-se uma infinidade de outros químicos, um para esticar a vida do aspartame, outro para dar buffer (arredondar) o gosto do segundo químico, outro para neutralizar a cor dos dois químicos juntos que deixam o líquido turvo, outro para manter o terceiro químico em suspensão, senão o fundo do refrigerante fica escuro, outro para evitar cristalização do aspartame, outro para realçar, dar 'edge' no ácido cítrico ou fosfórico que acaba sofrendo pela influência dos 4 produtos químicos iniciais, e assim vai... A lista é enorme.

Depois de toda essa minha experiência com produção e estudo de refrigerantes, posso afirmar: Sabe qual é o melhor refrigerante? Água filtrada, de preferência duplamente filtrada, laranja ou limão espremido e gelo... Mais nada !!! Nem açúcar, nem sal.

(AUTOR: ANÔNIMO - por motivos óbvios)"

Impressionado??? Se tiver tempo e paciência, leia agora a Parte 2

Se quiser ler o artigo original citado acima na íntegra, clique aqui.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Pano Branco

Sabe aquelas manchas brancas que aparecem no corpo de muita gente após uns dias na praia? É isso mesmo: o famoso "Pano Branco", a Micose de Praia! Mas como se pega isso?

Na verdade, não se pega isso na praia (ou não apenas na praia). O fungo que causa a Ptiríase versicolor (nome científico da doença), o Ptyrosporum ovale (também conhecido por Malassezia furfur), é um "habitante" natural de nossa pele. O que ocorre, eventualmente, é que eles podem causar esta micose em determinadas situações, como a baixa da imunidade, umidade, calor...

Normalmente, a pessoa que tem esta micose nem nota que ela existe. Em raros casos ela pode apresentar coceira, ou descamação. Mas as pessoas só sabem que estão com Pano Branco por causa das manchas esbranquiçadas na pele.

E por que as manchas são brancas?

Porque este fungo produz uma substância, o ácido azelaico, que é um inibidor da produção do pigmento da pele - a melanina. Então, os locais ao redor da micose, após a exposição ao sol, se bronzeiam, enquanto sob a micose a pele continua com o mesmo tom, já que o ácido azelaico está impedindo a formação de mais melanina. Por isso estas manchas aparecem após a praia ou piscina, quando as pessoas se bronzeiam e o contraste fica evidente.

O diagnóstico, através do exame micológico da lesão e do exame com lâmpada de Wood, possibilita o encontro do agente causal, bem como determina a extensão das lesões.


O tratamento pode ser feito com o uso de medicamentos por via oral (comprimidos), ou local (cremes, loções, sprays,etc).


Mesmo após o tratamento, as manchas brancas podem persistir exatamente por conta desta diferença na pigmentação. Ou seja, a micose não está mais ativa, mas a pele no local ficou menos pigmentada do que o resto. Mas a coloração vai ficando mais uniforme em alguns meses, dependendo da exposição ao sol.

Então, por favor, não fique tomando medicamentos ou usando cremes contra micoses sem orientação médica, pois além de serem inúteis contra as manchas, ainda podem trazer uma série de efeitos colaterais.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Mãos ou pés descascando - isso é sinal de Ácido Úrico? Mito ou Verdade?

ATENÇÃO! Este artigo não é sobre Causas e Tratamentos de pés ou mãos descascando. Se você chegou até aqui procurando sobre isto, clique aqui.


Quando alguém aparece com as mãos ou os pés descascando, qual é a primeira coisa que normalmente dizem a essa pessoa?

"Isso é ácido úrico..."

Mas o que exatamente é o ácido úrico?

     O ácido úrico é um produto do metabolismo de alguns tipos de aminoácidos (que formam as proteínas). É um ácido fraco, e é encontrado no sangue na forma de urato. Este urato encontra-se numa concentração próxima ao limite de solubilidade à temperatura normal de nosso corpo (37°C), ou seja, uma concentração um pouco maior faria com que esse urato deixasse de ser tão solúvel, e começasse a formar cristais. E é exatamente isto o que acontece em locais onde a temperatura é um pouco mais baixa, como nas articulações principalmente dos pés, mas também joelhos, mãos, etc. Estes cristais de urato se acumulam nestes locais, e acabam por provocar uma dor muito intensa. Essa doença é conhecida como Gota.


Sintomas da Gota

Pacientes gotosos podem permanecer 20 a 30 anos com ácido úrico elevado antes da primeira crise. Em alguns casos, já houve crise de cálculo urinário.
     A crise de artrite gotosa é bastante típica: o indivíduo vai dormir bem e acorda de madrugada com uma dor insuportável que em mais de 50% das vezes compromete o dedão do pé. Há situações de dor tão forte que os pacientes não toleram lençol sobre a região afetada. Pode haver febre baixa e calafrios. A crise inicial dura 3 a 10 dias e desaparece completamente. O paciente volta a levar vida normal. Nova crise pode voltar em meses ou anos. A mesma articulação ou outra pode ser afetada. Qualquer articulação pode ser atingida. As dos membros inferiores são preferidas mas encontram-se gotosos com graves deformidades nas mãos. Não havendo tratamento, os espaços entre as crises diminuem e sua intensidade aumenta. Os surtos ficam mais prolongados e, mais tarde, com tendência a envolver mais de uma articulação. Há casos em que algumas articulações não ficam mais livres de sintomas.


     E mais uma coisa: ácido úrico em níveis elevados no sangue (hiperuricemia), nem sempre significa que a pessoa tem ou terá gota. Pode ser totalmente assintomático. Além disso, a maior parte do ácido úrico no sangue é proveniente do próprio metabolismo de proteínas. Uma pequena parte vem da alimentação, o que faz com que, mesmo que seja perfeita, ela pouco contribui para a diminuição dos níveis de ácido úrico.
    
    Portanto, como podemos ver, a descamação das mãos NÃO É SINTOMA DE ÁCIDO ÚRICO ELEVADO!!!! Isso é mais um mito popular!

domingo, 17 de abril de 2011

Febre e Febre Interna

A Febre Interna realmente existe? Ou é apenas mais um mito da área da saúde?


  • Em primeiro lugar, vamos definir o que é febre: 
Febre é o aumento da temperatura corporal acima de 37,5°C.



  • Como é gerada a temperatura do nosso corpo? 
     O calor de nosso corpo é gerado através de reações químicas que liberam calor. Essas reações são a quebra de determinados compostos químicos, fornecendo energia ao nosso organismo. Uma parte dessa energia química é utilizada para a formação de novas substâncias, e outra parte é transformada em calor, aquecendo nosso corpo. (Leia também: De onde vem o calor do nosso corpo?)

  • Como nosso corpo regula a temperatura?
     O cérebro, mais especificamente o hipotálamo, possui um centro termorregulador, que fixa um ponto de temperatura (setpoint) "normal", que situa-se próximo a 37,1°C. Quando a temperatura corporal aumenta, o cérebro detecta este aumento, e passa a lançar mão dos recursos disponíveis para baixar a temperatura ao nível normal. 
     Por exemplo: quando estamos fazendo alguma atividade física, como a corrida, depois de algum tempo começamos a suar, ficamos vermelhos, etc. Como estamos utilizando mais os músculos, estamos "gastando" mais energia, o que acarreta no aumento da produção de calor, que eleva a temperatura do corpo. O suor, composto por água, molha a pele e evapora. A evaporação é um processo que utiliza energia, portanto, "rouba" o calor da pele, esfriando-a. Ficamos vermelhos porque ocorre uma vasodilatação, ou seja, um aumento do calibre dos vasos sanguíneos. Isso faz com que mais sangue passe próximo à pele, permitindo uma maior perda de calor para o ambiente, baixando assim temperatura. Estes mecanismos fazem com que a temperatura baixe novamente para o nível normal.
     Já quando a temperatura corporal encontra-se abaixo do setpoint normal, o cérebro vai fazer de tudo para que ela aumente. Por isso, começamos a tremer, ficamos pálidos... Quando trememos, estamos contraindo continuamente os músculos, ou seja, usando mais energia e liberando mais calor. E ficamos pálidos porque ocorre uma vasoconstrição, que é a diminuição do calibre dos vasos sanguíneos. Isso faz com que menos sangue chegue à pele, e portanto menos calor é perdido.

  • Como e por que esta temperatura pode subir acima dos 37,5°C?
     Em determinadas situações, a temperatura pode subir acima do "setpoint" normal. Isso pode ocorrer por causa de atividade física intensa, o que é natural; ou por anormalidades no próprio cérebro, desidratação, ou mais comumente, por substâncias tóxicas que afetam o centro de regulação térmica. Quando estas condições modificam o setpoint hipotalâmico para um nível mais alto que o normal, isto é considerado febre.
     Como exemplo, vamos imaginar que o "novo" setpoint é 39°C. Nestas condições, o cérebro passa a considerar que a temperatura normal, de aproximadamente 37°C, está muito baixa. Então, envia ordens para que os músculos comecem a contrair repetidamente, e para que haja uma vasoconstrição periférica. Exatamente a mesma coisa que acontece quando estamos com muito frio. Pode demorar horas para que a temperatura atinja este novo setpoint. Quando isto ocorre, a pessoa deixa de apresentar calafrios e não sente mais frio nem calor. 
     Enquanto o fator que provocou o aumento do setpoint persiste, a temperatura corporal é regulada mais ou menos de modo normal, porém neste novo nível. Quando este fator cessa, ou quando usa-se um antitérmico (ou o termo mais correto: antipirético), o setpoint volta ao normal. Então, o cérebro percebe que a temperatura está muito elevada e passa a utilizar os mecanismos citados anteriormente para baixar a temperatura. Ou seja, sudorese intensa (a pessoa começa a suar muito), e ruborização (pele avermelhada).

  • E afinal, a Febre Interna existe?
     Como acabamos de ver, a febre é o aumento da temperatura do corpo acima de 37,5°C. Ela ocorre no corpo como um todo. Portanto, NÃO EXISTE FEBRE INTERNA!!! Existe apenas febre!
     Ah, mas você tem um amigo ou uma amiga que apareceu com uma ferida na boca, e falou que é febre interna... Meu filho, isto é HERPES!!! Mas isto já é assunto para outro post...

Bem, espero ter sido mais ou menos claro nas explicações, já que o assunto é complexo, e tentei "traduzir" para uma linguagem um pouco mais compreensível. Mas qualquer dúvida, perguntem, ok?

domingo, 10 de abril de 2011

O que você sabe sobre Colírios?

Muita gente vai à farmácia e diz: "Eu quero colírio". E eu digo: "Qual colírio?". E eles: "Ué! Colírio!!!!"... Isto mostra um total desconhecimento do que é um colírio. Parece até que Colírio é uma marca... de colírio!

E nesta época, em que estamos tendo um surto de conjuntivite, esta situação tem ficado muito comum.

Mas o que é colírio, afinal? Colírio é uma Forma Farmacêutica líquida e estéril destinada ao uso oftálmico. Ou seja, qualquer líquido estéril para pingar nos olhos. E existem diversos tipos de colírios, para as mais diversas finalidades: para clarear os olhos (como o famoso Moura Brasil, Lerin, etc.), lubrificar em casos de secura (Fresh Tears, Ecofilm, Systane, Lacrifilm, Trisorb...), antibióticos para tratar infecções oculares (Tobrex, Cloranfenicol...), antiinflamatórios (Still, Voltaren colírio...), antialérgicos (Cromolerg), tratamento de glaucoma (Cosopt, Trusopt...)... Enfim, cada caso exige um tipo de tratamento. Mesmo nas conjuntivites, o tratamento é diferente entre cada uma delas, já que elas podem ser causadas por vírus, bactérias ou alergias, conforme já comentei neste outro post.
...
Seja lá qual for o problema, deve-se sempre passar no oftalmologista para que ele possa fazer o diagnóstico correto. Porque mesmo uma "simples" conjuntivite, tratada de maneira incorreta, pode levar à cegueira.


Cuidado com seus olhos!!!

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Profissão: Farmacêutico

Escrevo este post mais como um desabafo: por que o povo ainda insiste em chamar qualquer pessoa que trabalha em farmácia de farmacêutico?

Os farmacêuticos são profissionais da saúde, experts no uso de fármacos e medicamentos e suas consequências ao organismo humano ou animal. De uma maneira geral, podem trabalhar em farmácias, drogarias, hospitais, na indústria, em laboratórios de análises clínicas, cosméticos, alimentos, agricultura, prevenção de pragas, distribuição, transporte e desenvolvimento de medicamentos, pesquisas, entre outras funções e lugares. Para se formar farmacêutico, a pessoa deve cursar uma faculdade de Farmácia. O curso tem duração de 4 ou 5 anos, dependendo da faculdade e do tipo de formação.


Aí, de vez em quando, vem algum cliente na farmácia, descobre que sou formado em Farmácia, e solta a seguinte pérola: “Nossa! Não sabia que precisava fazer faculdade pra vender remédio!!!” Pois é... E sabe o que é pior? Ele tem razão! Hoje em dia, somos praticamente vendedores. Ninguém quer saber como o remédio vai funcionar no corpo, etc. Querem saber quanto vão ter de desconto. Isso é muito triste e desanimador! Afinal, pra que fazer faculdade, e ter conhecimento de muitas coisas nesta área, se praticamente não as usamos no dia-a-dia?
E não para por aí: outro dia, entrou uma cliente na farmácia, e falou para sua amiga: “Peraí, que eu vou falar com o farmacêutico!”. E eu lá, todo “pimpão”, me preparando para atendê-la, e tirar suas dúvidas... Ela passa reto por mim, e dirige-se ao gerente: “Oi! vim falar com você!”...
Dá pra notar que a profissão de farmacêutico, no Brasil, ainda é muito pouco reconhecida, o que se reflete nos baixos salários pagos à categoria. Espero que em breve tenhamos boas notícias!!!

Desculpem-me pelo desabafo, mas eu precisava dividir isto com vocês! Obrigado por terem lido, e espero que tenha servido para refletir um pouco, pelo menos!

Pesquisar este blog

Você também poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...