quarta-feira, 23 de maio de 2012

Remédios para tosse

"Que remédio é bom pra tosse?" "Tem remédio pra tosse?"

Estas perguntas são clássicas nas farmácias! O problema: a tosse pode ser causada por diferentes fatores. E é muito importante saber sua causa, e se ela é produtiva (produz secreção =catarro), ou improdutiva (tosse seca, sem catarro). O tratamento correto depende do tipo da tosse.

A tosse é um mecanismo que nós possuímos para limpar as passagens de ar em nossas vias aéreas. Poeiras, secreções, bactérias, vírus, fungos, e até comida(!!!) que vai pro lugar errado! Portanto, ela é um reflexo natural de defesa do organismo.

A tosse produtiva é causada pelo aumento da produção de muco, que por sua vez é causado por infecções respiratórias, como os resfriados em fases mais avançadas, poluição, fumo, etc. Esta tosse aparece para expulsar dos pulmões e das vias aéreas o muco (catarro) produzido em excesso. Por isso mesmo, não podemos tomar medicamentos que parem este tipo de tosse. Se pararmos com ela, o muco pode ficar retido nos pulmões, levando a uma série de complicações. Neste caso, devemos usar medicamentos que fluidifiquem as secreções, e que facilitem a expectoração. Agora ficou fácil! São os expectorantes! Alguns dos mais comuns são a N-acetilcisteína (ou apenas acetilcisteína), carbocisteína, guaifenesina, ambroxol, etc, cujos nomes comerciais são Fluimucil, Mucofan, Mucolitic, Xarope Vick, Mucosolvan, etc.

Já a tosse seca é normalmente causada por diversos motivos que, em comum, causam uma irritação nas vias aéreas. O início de resfriados, alergias, gripe, poeiras, ar extremamente seco, produtos químicos, entre outros, costumam ser os causadores da tosse seca. Muitas vezes, ela provoca uma sensação de coceira na garganta. É um tipo de tosse considerado inútil, já que não contribui para a limpeza das vias aéreas, e causa bastante incômodo, não apenas para quem a tem, mas também para quem está por perto. Nestes casos, podemos lançar mão de medicamentos que diminuem a frequência da tosse: os antitussígenos. Eles agem inibindo o reflexo da tosse, e os mais comuns são a dropropizina (Vibral), clobutinol + succinato de doxilamina (Silomat Plus, que não existe mais; Hytos Plus) e dextrometorfano. Em alguns casos, pode ser necessário o uso de codeína. Em tosses de origem alérgica, medicamentos anti-alérgicos podem ser administrados em conjunto com os antitussígenos, ou isoladamente. Um dos mais utilizados neste caso é o maleato de dexclorfeniramina (Polaramine).

Alguns medicamentos associam antitussígenos com expectorantes, porém essa associação não tem consenso entre a classe médica, já que não adiantaria fluidificar o catarro, e não tossir para expectorá-lo. Ex.: Xarope Vick 44E e Expec.


Curiosidades:

- Medicamentos para tratamento da hipertensão (pressão alta), da classe dos IECA (Inibidores da Enzima Conversora da Angiotensina), como o captopril e o enalapril, podem causar tosse seca como um de seus efeitos adversos.

Esterofilia é a condição de adorar o som da tosse ou espirro. Se uma pessoa parece estar gostando de tossir ou espirrar alto em público - ela pode ter uma simples alergia - ou pode ser possivelmente um esterofilíaco. Tem gosto pra tudo!!!

Para finalizar, como já disse em outros posts, NUNCA TOME MEDICAMENTOS POR CONTA PRÓPRIA! Vá ao médico ou, pelo menos, peça orientações a um farmacêutico.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Posso cortar comprimidos?


Muitas pessoas já se depararam com esta situação: "preciso tomar metade da dosagem deste comprimido. Posso cortá-lo ao meio e tomar só uma das partes?"

A resposta é: depende.

Na verdade, a resposta correta seria NÃO. Porém, sabemos que existem casos em que, clinicamente, não há diferenças significativas entre tomar um comprimido de 50mg, por exemplo, ou metade de um de 100mg. Todavia, devemos saber que, por mais preciso que seja o corte do comprimido, sempre haverá uma perda do princípio ativo. Sem contar que não obrigatoriamente haverá a mesma quantidade deste principio ativo nas duas metades. E isso acontece mesmo em medicamentos que tenham um sulco para facilitar o corte, e que você use um cortador de comprimidos. Num comprimido de 100mg, poderíamos ter uma metade com 48mg e outra com 52mg (sem considerar as perdas). Como já dissemos, para alguns tipos de medicamentos esta diferença não seria significativa. No entanto, em muitos casos, seria.

Até agora, tudo o que dissemos é válido apenas para os medicamentos em comprimidos comuns, sem revestimento. Os comprimidos revestidos, incluindo aqueles com liberação modificada (XR, SL, SR, AP, etc), JAMAIS podem ser partidos! Isso modificaria a velocidade de absorção pelo organismo dos princípios ativos destes comprimidos, o que poderia levar a sérios efeitos colaterais.

Sempre que houver a necessidade de partir um comprimido, pergunte antes a seu médico ou farmacêutico se isso é possível no seu caso! NÃO PARTA COMPRIMIDOS SEM TER A CERTEZA DE QUE É SEGURO FAZER ISSO!

Pesquisar este blog

Você também poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...